sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Site oferece aulas de desenho gratuitamente

Ferramenta conta com espaço voltado para educadores

Com uma ampla biblioteca de lições para download gratuito, o Drawspace é mais do que um site de arte, é uma comunidade virtual internacional voltada para desenhistas, educadores e interessados em geral, com mais de 320 mil participantes.
O site tem um espaço voltado para educadores, que conta com centenas de profissionais, aulas de desenho livre que podem ser baixadas pelos alunos, entre outros recursos.
Pessoas que querem aprender a desenhar encontram inúmeras aulas para todos os níveis, iniciante, intermediário e avançado.
Todo o conteúdo é em inglês e para ter acesso é preciso fazer um cadastro gratuitamente. Conheça o Drawspace e aproveite.

(Essa postagem foi mais uma dica do amigo Armando sardinha)


Veja as mudanças no PNE no Senado | Jornal da Educação | 22/11/2013

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

"Acervos de livros e outros documentos para download gratuito"

                                 1. http://www.gutenberg.org/wiki/PT_Principal

                                 2. http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/biblioteca-digital-camoes.html
                                 3. http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.do
                                 4. http://www.wdl.org/pt/
                                 5. http://www2.senado.gov.br/bdsf/
                                 6. http://noticias.universia.com.br/tag/livros-grátis/


"Livros gratuitos na internet"


Alguns sites disponibilizam grandes acervos de livros 

e outros documentos para download gratuito na internet. 
Acesse os seguintes links e aproveite:


                                 1. http://www.gutenberg.org/wiki/PT_Principal

                                 2. http://cvc.instituto-camoes.pt/conhecer/biblioteca-digital-camoes.html
                                 3. http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.do
                                 4. http://www.wdl.org/pt/
                                 5. http://www2.senado.gov.br/bdsf/
                                 6. http://noticias.universia.com.br/tag/livros-grátis/


sábado, 16 de novembro de 2013

Um novo método para lidar com conflitos na escola


                  POR EMI SASAGAWA - 09/08/2012

           Escolas buscam novos meios de resolver 

           conflitos de forma não violenta e não punitiva.

Um aluno se aborrece e insulta seu colega. Vendo isso a professora manda o autor da ofensa para sala do vice-diretor da escola, que o suspende por três dias. Nós reclamamos sobre a grosseria, a falta de limites e os pais irresponsáveis ​​que criaram este menino, justificando a punição como o melhor modo de fazê-lo assumir a responsabilidade por seu mau comportamento. Mas responsabilidade? Como? A punição é passiva. O aluno não precisa fazer nada. Ele continua chateado. Aliás, ele se vê como vítima. Ele não pensa como tem prejudicado os outros ou como pode consertar as coisas. Pelo contrário, ela volta à sala de aula sem ter resolvido nada.
Pensando nisto, especialistas da área de educação tem buscado outras formas de lidar com essas situações. E um método que vem ganhando espaço nesse debate é o Círculo Restaurativo – uma técnica de resolução não violenta de conflitos.
Dominic Barter desenvolveu os Círculos Restaurativos, uma prática específica de restauração, criada no Rio de Janeiro em meados dos anos 90 para ajudar reduzir o nível de violência nas favelas. Depois de resultados de sucesso, a abordagem começou a ser utilizada em várias situações.
“O Círculo Restaurativo coloca o aluno no centro da decisão, criando um espaço seguro onde ele pode se expressar”, diz Jean Schmitz, conselheiro e promotor dos direitos da criança do Instituto Latino Americano de Práticas Restaurativas.
Segundo ele, esse modelo proativo e preventivo já mostrou ótimos resultados em uma série de escolas em Lima no Peru. “Sempre dou o exemplo da escola pública Ramon Espinosa, porque o sucesso foi realmente incrível. O colégio é situado em um bairro muito violento, onde grande parte dos adolescentes se torna criminosos. Mesmo assim, apenas alguns meses foram suficientes para alunos e professores notar a diferença no ambiente de estudo”, comenta.
No Brasil a técnica vem sendo experimentada em algumas escolas. Um estudo de caso, conduzido pela PUCPR, analisou o efeito dos círculos em relação ao bullying em três escolas em Porto Alegre – privada, municipal e estadual. Em todos os casos os resultados apresentaram melhorias. “A gente fala sobre os nossos sentimentos, inclusive. E também, aí a gente chega num acordo né? E resolvemos como vai ser daí em diante o procedimento da criança dentro da sala de aula, como que ela vai se comprometer a fazer as coisas dentro da sala de aula”, disse um aluno da 5ª série de uma das escolas.

COMO FUNCIONA O CÍRCULO
Dentro das escolas, o método consiste de três passos e deve ser realizado por dois profissionais capacitados.

Pré-Círculo
Receptor e autor são convidados a participarem de um encontro. Todos os envolvidos devem querer participar por sua livre vontade, aceitando cumprir com o que for exigido.

Círculo
Todos os participantes, incluindo os coordenadores, o autor, o receptor e qualquer outra pessoa convidada por estes discutem a questão em pauta. A ideia aqui é ajudar os alunos a expressar suas opiniões. Toda solução vem dos estudantes. Portanto eles são responsáveis pela retificação de seus atos.

Pós-Círculo
É a etapa final deste processo onde os envolvidos refletem sobre a discussão que tiveram e colocam em prática as recomendações feitas por eles mesmos.

ENTENDA A JUSTIÇA
Existem quatro práticas principais quando consideramos ofensores que são menores de idade:
Punitiva: é o modelo tradicional, no qual o culpado é “castigado” pelos seus atos.
Paternalística: reconhece a responsabilidade do estado de proteger o jovem. Por isso, dentro desta prática, ofensores são mandados para centros juvenis e não para cadeias comuns.
De reabilitação: vai além da proteção, ensinando o adolescente a se responsabilizar pelas suas atitudes e descobrir as suas habilidades para começar uma nova vida. Os críticos dizem que o grande problema aqui é que a prática não leva em conta a vítima. Ela foca, apenas, no ofensor.
Restaurativa: procura lidar com os dois lados do conflito, buscando através de diálogos colaborativos, estabelecer um novo começo para ambos os partidos. É nesta filosofia que os círculos restaurativos têm suas raízes.

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

sexta-feira, 18 de outubro de 2013